Compartilhar:

PRECATÓRIO DO FUNDEF – Professores cruzam os braços em Itabela e pedem a aplicação do Plano de Ação

Professores votaram por uma greve geral e só retornarão quando tiverem uma posição concreta por parte do prefeito ou da secretária de educação.

29 29UTC junho 29UTC 2018 Às 15:03

Professores municipais do município de Itabela realizam, na manhã desta sexta-feira (29), um ato para cobrar a divisão do valor dos precatórios do antigo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). 100% dos professores presentes na assembleia votaram pelo início de uma greve.

A greve terá inicio na próxima quarta-feira (04). A assembleia aconteceu no auditório do Colégio Estadual.

“Esse valor é para ser distribuído para a categoria. A lei é clara, tem que ser investidos 40% do valor na educação e os outros 60% devem ser rateados com os professores de 1998 a 2006”, declarou uma professora da rede municipal.

“A luta não deve ser apenas pelo precatório e sim por todos os problemas da educação como: CAPREMI, reformas das escolas, melhoria do transporte escolar e construção de pelo menos duas escolas de grande porte”. Disse o vereador Alencar da Rádio.

O vereador disse ainda que a câmara estará entrando com uma ação no sentindo de suspender todas as licitações que a prefeito fez sem acordo com o Plano de Ação elaborado pela comissão e aprovada por unanimidade pela Câmara Municipal de Vereadores de Itabela. 

O coordenador da APLB Núcleo Itabela, Professor Valtim Lima, disse que uma comissão formada por professores e agentes políticos indicados pelo prefeito Luciano Francisqueto (PRB) tiveram uma reunião com o prefeito onde o mesmo se comprometeu em agendar uma audiência com o juiz da comarca de Itabela para a última quarta-feira (27). O prefeito não compareceu quebrando assim um acordo firmado entre as partes.

REDAÇÃO: FOLHA BAIANA

Compartilhar:

AVISO: O conteúdo de cada comentário nesta página é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.