Compartilhar:

ITABELA – Professores rejeitam propostas do prefeito e paralisações podem acontecer a qualquer momento

O prefeito queria que os professores não fizessem mais greve durante este ano e que aceitassem o desbloqueio dos 60% do Precatório do Fundef a partir de 31 de dezembro deste ano.

2 02UTC agosto 02UTC 2018 Às 12:43

Os vereadores Alex da Pax e Alencar da Rádio também participaram da assembleia. | Foto: Regilmar FB

Os professores da rede municipal de ensino de Itabela rejeitaram todas as propostas do prefeito, Luciano Francisqueto (PRB), em assembleia que aconteceu na manhã da última quarta-feira (01/08). As propostas do prefeito foram apresentadas em uma audiência com o juiz Dr. Roberto Costa de Freitas Júnior, na quarta-feira (18) de julho.

O coordenador da APLB, Professor Valtim R. Lima, decidiu que as propostas seriam apresentadas para a categoria e que as mesmas fossem submetidas à votação. “Não posso decidir por este assunto neste momento. Irei levar para a categoria votar pela aceitação ou rejeição”, disse o professor Valtim, naquele momento.

“Todas as propostas do gestor são indecentes, o direito de greve é garantido por lei e essa coisa de desbloquear os 60% durante nossas férias de fim de ano é mais uma jogada dele. Com a categoria em férias não teremos forças de mobilização em massa”, disse uma professora.

Entre as propostas rejeitadas estavam: o fim do direito dos profissionais da educação de fazer greve, independente do que acontecesse, este resto de ano e o desbloqueio dos 60% do Precatório do Fundef a partir de 31 de dezembro deste ano. Todas as propostas foram rejeitadas.

SOBRE OS DESCONTOS DOS SALÁRIOS

A categoria retornou às atividades desde a última sexta-feira (13) de julho e mesmo assim a prefeitura descontou 07 dias não trabalhados de todos os profissionais da educação que aderiram a greve. “Salários de Professores vieram com descontos mesmo o TJ-BA declarando a greve legal”. Disse um professor em sua rede social.

“Em nenhum momento falamos que não iríamos repor os dias que estávamos em greve e mesmo assim o prefeito descontou dos nossos salários”, disse uma professora revoltada.

De acordo com o coordenador da APLB-ITABELA, professor Valtim, uma comissão formada por vereadores, professores e membros da APLB, estiveram com o prefeito na tarde de ontem e ficou decidido que o mesmo iria autorizar a devolução dos descontos em até 48h. Com essa determinação, o coordenador ficou de apresentar um calendário de reposição que não prejudicará os alunos.

“Buscaremos a melhor forma para repormos os dias paralisados sem utilizarmos os sábados. A lei é clara, o aluno tem que ter, no mínimo, 200 dias letivos ao ano, e com a atitude do prefeito e da Secretária de Educação, Chrystiane Coelho T. Grassi, de descontar em nossos salários os dias em greve, nós não teríamos o direito de repor”, disse o coordenador.

DENÚNCIA

O coordenador anunciou que iria fazer uma denúncia pedindo o afastamento do prefeito devido as PEDALADAS aplicadas pelo gestor. De acordo com o coordenador, o prefeito vem fazendo uso dos recursos do precatório, indevidamente, até para pagamento de empréstimos consignados.

A denúncia foi elaborada pelo jurídico da APLB-ITABELA, lida durante a assembleia e o coordenador pediu para que todos os professores, que quisessem, assinassem como testemunhas.

No uso da palavra, um professor também defendeu o afastamento do prefeito. “Nossa presidente Dilma perdeu o cargo por PEDALAR. Então temos que pedir que a Câmara de Vereadores afaste o prefeito imediatamente”, disse o professor.

O discurso do professor foi filmado e o vídeo já viralizou na internet.

Os profissionais da educação que estavam na assembleia aplaudiram e viram com bons olhos a possibilidade do prefeito ser afastado.

A categoria decidiu que não haverá mais greve, porém não descarta a possibilidade de fazer paralisações, a qualquer momento.

REDAÇÃO: FOLHABAIANA

Compartilhar:

AVISO: O conteúdo de cada comentário nesta página é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.